UST é homem-hora?

Posted on Posted in contratos, Métricas, pontos de função, Sem categoria

Recentemente recebi um e-mail de um colega do Senac sobre o uso de UST (Unidade de Serviço Técnico). Dúvidas sobre UST é recorrente, pois muitos Órgãos estão fugindo de pontos de função e , consequentemente, se UST pode ou não ser considerado como homem-hora. Segue abaixo a dúvida e a nossa resposta.


DUVIDA

“Acompanho o site Governo Ágil, e gostaria se saber qual a posição de vocês quanto a contratação de Fábrica de Software através de UST – Unidade de Serviço Técnico? Pergunto porque tomei conhecimento sobre alguns editais neste formato, mas ao mesmo tempo temos a jurisprudência indicando não usar esta métrica.
Agradeço desde já a atenção.
Giuliano -SENAC”

RESPOSTA

“Olá Giulliano, um contrato com UST sem estar associado a um catálogo de serviços é o mesmo que homem-hora. Se o contratante não quer usar uma métrica tipo ponto de função e usa UST, ele terá que definir quantas USTs valem cada serviço que pode ser solicitado ao contratado, esse é o catálogo.Por exemplo, quanto custa um portal? Quantas USTs? Quanto custa em UST alterar um tela no portal? Quanto custa em USTs fazer um cadastros em java com x atributos? E um relatório?

Se as respostas acima forem respondidas lendo o catálogo que já estava pronto desde a licitação, então perfeito. Se as respostas acima são respondidas durante a execução contratual e muda a cada ordem de serviço de acordo com o entendimento subjetivo de quem pede e da empresa que faz, então isso é homem-hora disfarçado.”


Até o AgileTrends eu tinha me deparado praticamente com catálogos exaustivos, ou seja, que tentavam definir quase todos os possíveis serviços a serem solicitados à empresa – o que tornava bem custoso a elaboração do Termo de Referência. Contudo, vimos na excelente palestra do MRE que este órgão usa um catálogo bem enxuto e simples e os itens que vão surgindo são equiparados com os existentes do catálogo. Vale ressaltar que esse edital do MRE está em andamento e , segundo o Gestor, está sendo uma grata experiência, com qualidade e satisfação de ambas as partes (contratada e contratante).

Será o início do fim de Pontos de Função?

Para download do edital do MRE (pregão DCD 02/2015 ) acesse o página Editais.

 

One thought on “UST é homem-hora?

  1. Olá! Sinceramente não sei se o Ponto de Função morrerá tão cedo. Há quem ame, há quem odeie.
    Na verdade, o que realmente necessita é uma atualização URGENTE do CPM, da métrica em si! Só de ver aqueles exemplos descritos no CPM, vem um cheiro de mofo guardado dos anos 80..90!
    A APF mede o que tem medir! Mas acho que o IFPUG poderia adicionar itens técnicos, visto que hoje é tudo muito dinâmico e em constante atualização!
    Agora é muita ingenuidade esperar que tudo se resolva com APF ou com qualquer outra métrica! Se algum dia houver uma métrica, em pouquíssimo tempo, vem alguma nova necessidade no mercado. A verdade é: Ponto de Função parou no tempo há tempo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *